Início / Blog / Atualidades / Entenda a diferença entre epidemia, pandemia e endemia

Entenda a diferença entre epidemia, pandemia e endemia

Responsive Image

O surto do novo coronavírus que começou em 2019 na pequena província de Wuhan, na China, se espalhou pelo mundo rapidamente, causando milhares de mortes nos quatro continentes. Em março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou a situação uma pandemia, devido ao nível de gravidade em que chegara. 
 
A declaração foi importante porque colocou todos os países em alerta diante do alto risco de contágio. Ao mesmo tempo, causou algumas dúvidas em relação ao termo utilizado. Afinal, qual é a diferença entre epidemia, pandemia e endemia? Vamos explicar cada uma delas neste artigo. 
 

Endemia 

 
Quando uma uma região registra frequentemente muitos casos de uma mesma doença, é considerado uma endemia. É o caso da febre amarela, que é muito comum principalmente no Norte do Brasil. Em 2017 foram confirmados 779 casos e 262 mortes pela doença. Nessas regiões são realizados programas de prevenção para proteger a população.
 
Hoje em dia, com a fácil locomoção, as pessoas viajam para outros bairros, cidades e países o tempo todo. Muitas vezes, levam consigo vírus e doenças de fácil transmissão. Assim, acabam contaminando outras pessoas. Se essa contaminação gera um surto em várias regiões ao mesmo tempo, deixa de ser uma endemia e passa a ser uma epidemia.
 

Epidemia

 
A palavra epidemia vem do grego “epi”, que indica por sobre, com “demos”, que é povo, ou seja, significa: doença que se espalha pelo povo. 
 
Se o número de casos de uma doença aumenta além do esperado pelas autoridades em uma determinada região, é considerado uma epidemia. 
 
Por exemplo, quando vários bairros apresentam um aumento abrupto no número de casos de uma doença, o município declara que há uma epidemia. A nível estadual, é considerado quando os casos são registrados em várias cidades.
 

Casos no Brasil

 
A dengue já foi considerada uma epidemia no Brasil por apresentar registros em inúmeras regiões do país ao mesmo tempo. É o típico caso de doença ligada às condições climáticas. O clima quente e úmido favorece a aparição dos mosquitos, que são os transmissores da dengue. 
 
Outros fatores podem acabar contribuindo com o aparecimento de epidemias, como a falta de saneamento básico, hábitos de higiene precários, condições climáticas e poluição. 
 

Casos históricos

 
Alguns casos muito conhecidos de epidemias são a febre tifóide, que atingiu o Egito por volta de 430 a.C, e a Peste Negra, que apareceu por volta do ano 1300 e matou cerca de 20 milhões de europeus em seis anos.
 
modelo do coronavírus
 

Pandemia

 
A palavra pandemia vem do grego e significa “de todo o povo”.  Ela ocorre quando o surto de uma doença atinge proporções globais. É preciso ter uma transmissão ativa em pelo menos três continentes para receber essa classificação. 
 
Segundo a Organização Mundial da Saúde, uma pandemia reúne três estágios iniciais: 1) começa com o aparecimento de uma nova doença na população; 2) infecta humanos que ainda não têm resistência imunológica à doença; 3) se espalha facilmente entre os humanos. 
 
Para ser considerada uma doença pandêmica ela não pode ter apenas uma alta taxa de mortalidade, mas precisa ser infecciosa. Por exemplo, o câncer é responsável por um grande número de mortes, mas não é contagioso, por isso não é considerado uma pandemia. 
 

Coronavírus 

 
Em 2019, um novo vírus surgiu na província de Wuhan, na China, e se espalhou rapidamente por diversos países. O COVID-19, conhecido como Síndrome Respiratória Aguda Grave, já registrou cerca de 570 mil mortes pelo mundo. 
 
É uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que apresenta um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves. A transmissão ocorre por meio do toque, gotículas da saliva, espirro, tosse e objetos contaminados. Com o objetivo de proteger a população, autoridades de diversos países decretaram quarentena para incentivar o isolamento social.
 

Outros casos de pandemia

 
Em 2009 o mundo viveu a pandemia do vírus H1N1. Conhecida como gripe suína, a doença infectou cerca de 1 bilhão de pessoas e matou milhares em um ano.
 
Outro surto que se espalhou pelos continentes e ficou marcado na história foi a Gripe de Hong Kong, em 1968, causando 500 mil casos em apenas duas semanas. A doença chegou aos Estados Unidos por meio de soldados que lutavam na Guerra do Vietnam. Também alcançou a Europa, América do Sul e África do Sul. 
 
A gripe espanhola, entre 1918 e 1920, foi outro caso que assolou o mundo. Estima-se que cerca de 50 milhões de pessoas morreram da doença na época. 
 
O vírus do HIV também foi considerado uma pandemia pela alta taxa de infecção a nível global.
 
Tão importante quanto entender a diferença entre epidemia, pandemia e endemia é seguir as regras de prevenção. 
 
Se você é vestibulando e precisa se preparar para as provas nesta época de pandemia, mantendo o distanciamento social, conte com o Hexag, o cursinho pré-vestibular mais forte para Medicina. Acesse https://www.cursinhoparamedicina.com.br/ e saiba mais. 
 

SE INSCREVA EM NOSSO CANAL DO YOUTUBE – CLIQUE ABAIXO!

 


 

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do Hexag.

Compartilhe

Sobre o autor

user

Comentários

Responsive Image

Bitnami