24/08/2021 Biologia

Neutrófilos e Macrófagos: o que são?

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
Neutrófilos e Macrófagos: o que são?

Os neutrófilos e macrófagos são células envolvidas no processo de defesa do organismo. Atuam no sistema imunológico, tendo um papel crucial para o bem-estar do ser humano. Continue lendo para entender mais sobre esses dois elementos, o que são e quais são as suas funções.

Neutrófilos e Macrófagos: definição

A seguir explicaremos com mais detalhes o que são neutrófilos e macrófagos, confira!

O que são macrófagos?

Macrófagos são células de defesa, cuja atuação se dá no sistema imunológico. Estão presentes no tecido conjuntivo e concentram-se em órgãos com função de defesa do organismo. Os macrófagos se caracterizam por serem células com formato irregular, possuírem citoplasma abundante e terem pseudópodes.

Quais são as funções dos macrófagos?

Os macrófagos têm como sua principal função realizar a fagocitose. Basicamente, o macrófago faz a fagocitose de células danificadas e velhas, assim como agentes estranhos e partículas inertes. Eles possuem funções diferentes de acordo com o local em que são encontrados e do nome que recebem. No entanto, é essencial esclarecer que todos realizam fagocitose.

Macrófagos alveolares

Estão localizados nos pulmões e sua função é de defesa contra microrganismos e agentes estranhos.

Células de Kupffer

Encontram-se no fígado e sua função é remover células envelhecidas, além de destruir bactérias.

Células mesangiais

São encontradas nos rins e atuam realizando a fagocitose de substâncias estranhas.

Micróglia

Estão no sistema nervoso e sua função consiste em realizar fagocitose, além da defesa do sistema nervoso.

Histiócitos

Encontrados no tecido conjuntivo, têm função fagocítica.

Monócitos

Estão no sangue e sua função é e defesa.

Osteoclastos

Encontrados no tecido ósseo, têm como função fazer a remodelação dos ossos.

Resposta imunitária

Os macrófagos têm um papel chave para o funcionamento da resposta imunitária. Sua função é produzir e liberar substâncias que levam à produção de células que estão relacionadas a processos inflamatórios e imunitários. Dessa forma, iniciam o processo de reação inflamatória. Também cabe a eles limpar os locais que estão inflamados, realizando a remoção das células destruídas.

Os macrófagos também têm rápida resposta imunitária por contarem com receptores de superfície que reconhecem os estímulos e os microrganismos. Faz parte do trabalho dos macrófagos alertar o sistema imunológico a respeito da presença de agentes estranhos no organismo.

Monócitos: origem dos macrófagos

Os monócitos são células sanguíneas que se formam na medula óssea e dão origem aos macrófagos. Circulando pela corrente sanguínea, chegam aos seus locais de destino em que sofrem processo de diferenciação e passam a realizar funções específicas.

Monócitos consistem em um tipo de leucócito e podem ser entendidos como sendo a forma imatura do macrófago. A diferença crucial que ocorre na transformação de monócito em macrófago é o aumento do número de lisossomos. Com mais lisossomos, torna-se mais fácil realizar fagocitose.

Macrófagos e Neutrófilos

Neutrófilo também é um tipo de leucócito e está envolvido na resposta inflamatória, assim como no sistema imunológico. Trata-se de um tipo de glóbulo branco que age como a principal defesa do organismo contra infecções bacterianas agudas e alguns tipos de infecções fúngicas. Neutrófilos se caracterizam por serem responsáveis por 45 a 75% de todos os glóbulos brancos presentes na corrente sanguínea.

Quando se tem deficiência de neutrófilos, é comum que o indivíduo não consiga controlar problemas decorrentes de infecção. Há o risco de óbito, devido à ação de infecções. Casos de neutropenia (baixa quantidade de neutrófilos), podem ser solucionados quando a infecção é eliminada ou com o fim da exposição ao agente infeccioso.

Há diversas causas de neutropenia, no entanto, há duas que se destacam. A primeira delas é o esgotamento ou destruição dos neutrófilos em um ritmo mais intenso do que a medula óssea é capaz de produzir novos leucócitos. Outra causa comum do problema é a redução significativa da produção de neutrófilos pela medula óssea.

Existem distúrbios que são responsáveis pelo esgotamento e destruição dos neutrófilos. Nesse grupo estão algumas infecções bacterianas e distúrbios alérgicos. Para esses casos são utilizados alguns medicamentos.

Por sua vez, a produção dos neutrófilos pode ser reduzida em decorrência de cânceres, infecções bacterianas, infecções virais, como a gripe, por exemplo, entre outros. É importante que esse problema tenha o acompanhamento de um médico.

Neutrófilos e a morte por apoptose

Os neutrófilos existem em grande quantidade e possuem vida curta, podendo durar por um período de até seis horas no sangue ou, então, até dois dias no tecido conjuntivo. Da mesma forma como acontece com os macrófagos, os neutrófilos são capazes de realizar fagocitose nos locais de inflamação.

São responsáveis por ingerir partículas estranhas, além de microrganismos. Consistem em elementos essenciais na fase inicial de resposta inflamatória. Depois de realizarem a fagocitose, os neutrófilos morrem por apoptose (morte celular programada).

Agora você já sabe o que são neutrófilos e macrófagos! Navegue pelo blog do Hexag Medicina para conferir mais conteúdos de biologia, além de dicas para ter um bom desempenho no Enem e no vestibular!

Retornar ao Blog