07/01/2022 Biologia

O Brasil recicla menos do que poderia: como podemos mudar essa realidade?

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
O Brasil recicla menos do que poderia: como podemos mudar essa realidade?

Dentro da sua rotina, você recicla ou simplesmente elimina os resíduos que gera? Essa é uma questão primordial em um contexto em que temos um volume de lixo que não estamos mais conseguindo administrar e escassez de uma série de materiais. Todo indivíduo gera um impacto no mundo, porém, cada um pode decidir qual impacto irá gerar. 

O Brasil é um país reconhecido mundialmente por sua grande capacidade de reciclagem. Para se ter uma ideia, em 2020, nada menos do que 97,4% de todas as latas de alumínio foram recicladas em nosso país. Basicamente, mais de 30 bilhões de latinhas retornaram ao ciclo produtivo apenas 60 dias após o descarte. 

No entanto, no que diz respeito à reciclagem de materiais plásticos (cujo uso cresceu exponencialmente durante a pandemia), o Brasil ainda deixa bastante a desejar. De acordo com dados da WWF Brasil, apenas 1,3% do plástico gerado em nosso país foi reaproveitado. A média mundial foi 9%, ficamos bem abaixo. 

Dessa forma, é evidente que o Brasil realiza um trabalho eficiente de reciclagem em alguns setores, mas ainda pode fazer mais. Como você pode ajudar a mudar essa realidade? 

O Brasil recicla menos do que poderia: como reciclar mais? 

A reciclagem é uma engrenagem importante para o bom funcionamento do planeta. Sem a reciclagem, os resíduos acabam em rios e mares gerando poluição e contaminando a água.

Com a água contaminada há sérios prejuízos para diferentes formas de vida. A imagem de uma tartaruga com um canudo de plástico preso à sua narina se tornou um símbolo visual dessa constatação.

Reciclar é um trabalho coletivo e todos devem dar a sua contribuição para que os resultados sejam conquistados. Para quem está se perguntando como pode fazer a sua parte nesse importante processo, apresentaremos os cinco passos fundamentais para um processo de reciclagem.

Repensar

O primeiro passo que podemos dar para um mundo mais sustentável é pensar e repensar antes de comprar algum produto.

Será que você realmente precisa de mais um caderno? Aquela blusa da moda terá realmente utilidade no seu guarda-roupa? Você precisa trocar o seu smartphone todo ano?

Em um cenário de consumo desordenado é essencial reconsiderar a importância de cada item que pensamos em comprar.

Recusar

Tendo concluído no primeiro passo que não precisa do item que pretendia comprar, recuse a aquisição. Essa lógica se aplica também a outros contextos como, por exemplo, a recusa de sacolas plásticas no supermercado. Você pode levar uma caixa ou sacolas ecobags para carregar suas compras.

Reduzir

Alguns materiais podem ser reutilizados, quando você usa algo mais de uma vez está prolongando a sua vida útil e reduzindo o impacto no meio ambiente. Um exemplo é um saco plástico resistente, você pode utilizá-lo para carregar suas compras mais de uma vez. 

Reciclar

Ao chegar verdadeiramente ao fim do ciclo de uso de um objeto, é fundamental dar a destinação correta para o mesmo. Encaminhe para a reciclagem tudo aquilo que pode ser reciclado. No seu dia a dia em casa, separe os diferentes materiais considerando os que podem ter um destino diferente do descarte convencional. 

Se na sua cidade não há um programa de coleta seletiva ou no seu condomínio não é feita a separação do lixo, é possível procurar ONGs e instituições que atuam nesse setor. Os itens reciclados podem significar uma oportunidade de trabalho para muitas pessoas.

Reciclagem pode e deve começar na escola

A escola é um dos melhores lugares para debates a respeito da importância da reciclagem e para o desenvolvimento de projetos práticos. Aulas focadas em educação ambiental e atividades de reciclagem podem fazer a diferença na vida desses futuros adultos. 

Além disso, a rotina dos estudantes pode se adaptar a uma realidade mais sustentável com menos uso de papel e adoção de garrafinhas de água em substituição aos copos descartáveis.

Os alunos podem ser convidados a participar de projetos em que tenham contato com todo o processo de reciclagem, entendendo como a simples separação do lixo pode contribuir para um mundo melhor.

Ações nacionais

As ações individuais são importantes, no entanto, é essencial que a reciclagem também seja entendida como uma questão nacional. Um exemplo de ação nacional impactante é o Programa Lixão Zero que realiza doze ações estratégicas para aumentar o alcance da coleta seletiva e reaproveitamento de resíduos orgânicos. 

O programa teve como um dos resultados mais positivos a elaboração do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos (Sinir). Esse sistema permitiu a informatização da gestão de resíduos sólidos.

No entanto, o Brasil recicla apenas 2,1% do total de resíduos sólidos produzidos, um número que se mantém nessa faixa há anos. Esse dado é proveniente do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento.

Falta de acesso à coleta seletiva

Menos da metade da população brasileira tem acesso à coleta seletiva, essa é a grande barreira para o sucesso de estratégias de reciclagem. O ideal é que pelo menos 70% da população tenha acesso a esse tipo de coleta. Até 2040, em torno de 20% desse material deve ser reciclado. 

Terceiro setor: a chave para reciclagem crescer

As ONGs focadas em reciclagem e ampliação do acesso à coleta seletiva têm um papel essencial para o aumento da reciclagem no Brasil. No Rio de Janeiro, por exemplo, há a organização Ecomarapendi que comercializa materiais recicláveis, beneficiando 3,2 mil pessoas em 39 cooperativas.

Em São Paulo, o Instituto Trevo é responsável por reciclar resíduos de óleo e gordura de fritura, dando origem a um novo produto: o biodiesel. 

A reciclagem é essencial para a construção de um futuro sustentável. 

Retornar ao Blog