16/06/2021 Dicas para o vestibulando

É preciso decorar a tabela periódica?

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
É preciso decorar a tabela periódica?

A tabela periódica é um importante instrumento para os estudantes entenderem melhor conceitos de química. Contudo, muitos têm dúvidas sobre a necessidade de decorar toda a tabela. A resposta é que não é necessário saber de cabeça cada item. O mais importante é entender os conceitos para aplicá-los ao responder questões de exercícios e provas.

Continue lendo para saber mais a respeito da tabela periódica, sua origem e conferir dicas de como entender seu funcionamento.

Como a tabela periódica foi criada?

A tabela periódica reúne todos os elementos químicos conhecidos, incluindo tanto os que são encontrados na natureza quanto aqueles que são produzidos em laboratório. Como muitos elementos foram descoberto ao longo dos anos, a tabela não nasceu da forma que conhecemos hoje.

Foi em 1789 que o químico francês Antoine Lavoisier decidiu agrupar os elementos químicos entre metais e não metais, mas ainda de forma básica. Na época, a tabela tinha quase 30 elementos, um número bem diferente do atual, em que conta com um total de 118, somando 26 criados artificialmente e 92 de origem natural.

Quatro décadas depois, o físico alemão Johann Wolfgang Döbereiner identificou semelhanças entre as propriedades físicas e químicas de certos elementos. Então, os organizou em três grupos, seguindo a ordem crescente de acordo com o peso atômico.

O estudioso chamou esses grupos de tríades e observou que algumas propriedades dos elementos do meio, como peso atômico e densidade, se aproximavam do valor médio dessas propriedades nas outras duas tríades.

Um grande avanço ocorreu com a publicação de uma lista revisada de elementos e suas massas atômicas, o que aconteceu em 1860, na primeira conferência internacional de química em Karlsruhe, na Alemanha.

Ao longo dos anos seguintes, diversas adaptações foram sendo feitas, até que, em 1869, o químico russo Dmitri Mendeleiev criou a estrutura que conhecemos hoje. Ele tomou o cuidado de deixar lacunas para elementos que ainda não haviam sido descobertos. Durante o processo de organização dos elementos de acordo com seu peso atômico, ao identificar algum que não se encaixava no grupo, ele os reorganizava.

Entendendo a tabela periódica

Como mencionamos no início do texto, não é necessário decorar a tabela completa. Em provas, como do Enem e vestibulares, a tabela ou trechos dela são fornecidos quando há alguma questão relacionada. Por isso é tão importante saber interpretá-la, para fazer a consulta e aplicar ao que é pedido no enunciado.

Alguns pontos válidos a se ter conhecimento é que, na tabela periódica, as linhas horizontais são chamadas de períodos, com metais posicionados à esquerda e não metais à direita. As colunas verticais, chamadas de grupos, reúnem elementos com propriedades químicas semelhantes.

A tabela fornece informações sobre a estrutura atômica dos elementos e as semelhanças ou diferenças químicas entre eles. Os cientistas a utilizam para realizar suas pesquisas e experimentos.

Curiosidades sobre a tabela periódica

Por se tratar de uma ferramenta tão antiga e que passou por tantas transformações ao longo dos anos, existem algumas curiosidades interessantes a respeito da tabela periódica. Confira as principais!

Por que tabela periódica?

A tabela é chamada de periódica porque os elementos são apresentados em ciclos ou períodos. Cada linha horizontal é um período, somando sete no total. O primeiro período possui apenas dois elementos, que são o hidrogênio e o hélio. Já o sexto período conta com 32 elementos.

150º Aniversário da Tabela Periódica

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) nomeou 2019 como o Ano Internacional da Tabela Periódica para marcar o 150º aniversário da publicação de Mendeleiev.

No anúncio da comemoração no site oficial, constava a seguinte mensagem: “A Tabela Periódica dos Elementos Químicos é mais do que apenas um guia ou catálogo de todos os átomos conhecidos no universo; é essencialmente uma janela para o universo, ajudando a expandir a compreensão do mundo ao nosso redor.”

Previsões de Mendeleiev

Mendeleiev previu as propriedades de alguns elementos não descobertos. Um deles foi chamado de “eka-alumínio”, por ter propriedades semelhantes às do alumínio. Tempos depois, o eka-alumínio foi descoberto como gálio. Outros elementos que o químico russo previu foram: escândio, em 1879, e germânio, em 1886.

Observação: a expressão “eka” em química significa semelhante.

Mendelévio – 101º elemento descoberto

Em 1955, o 101º elemento foi denominado mendelévio em homenagem a Dmitri Mendeleiev.

Mudanças geradas após a criação do conceito de partículas subatômicas

O conceito de partículas subatômicas não existia no século XIX. Em 1913, o físico inglês Henry Moseley usou raios X para medir os comprimentos de onda dos elementos e correlacionou essas medições com seus números atômicos.

Assim, ele pode reorganizar os elementos da tabela periódica com base nos números atômicos. Isso ajudou a explicar certas disparidades em versões anteriores que usavam a massa atômica como guia.

Em vez de tentar decorar, procure compreender a tabela, assim, conseguirá consultá-la corretamente e obter todas as informações que precisa.

Aproveite para navegar pelo blog do Hexag Medicina e conferir mais conteúdos informativos como este!

Retornar ao Blog