23/06/2021 Filosofia e Sociologia

O que é o Mito da Caverna? Qual seu significado na atualidade?

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
O que é o Mito da Caverna? Qual seu significado na atualidade?

O Mito da Caverna, também conhecido como Alegoria da Caverna, é uma história que faz parte da obra “A República”, de Platão. Trata-se de um diálogo em que Sócrates narra uma história a Glauco demonstrando a maior relevância do conhecimento racional em comparação com o conhecimento vulgar. Continue lendo para entender o conceito e sua aplicação na atualidade.

Entenda o Mito da Caverna

No diálogo travado entre Sócrates e Glauco, o primeiro pede para o outro imaginar um tipo de caverna subterrânea em que há prisioneiros que sempre viveram lá. Eles são mantidos acorrentados pelos braços, conseguindo ver somente o que acontece na parede paralela.

Há uma chama acesa atrás dos prisioneiros. Pessoas passam por essas chamas gesticulando e fazendo movimentos, de forma a projetar sombras na parede paralela. Além disso, essas pessoas também gritam e falam, dando origem a ecos que os prisioneiros podem ouvir.

Ecos e sombras nada mais são do que projeções distorcidas de sons e imagens reais. Os prisioneiros passaram toda a vida presos na caverna e, dessa forma, tudo o que conhecem é aquilo que vivenciaram por meio dessas distorções.

Sócrates diz, então, para que Glauco imagine que um dia um dos prisioneiros recebeu a liberdade e saiu da caverna. Dessa forma, ele fez o primeiro contato com a luz do sol que ofuscou a sua visão e lhe causou grande incômodo.

No entanto, com o passar do tempo, ele se acostumou à luz e pode observar a natureza. O prisioneiro compreendeu que o mundo era muito mais vasto do que ele poderia supor enquanto estava preso na caverna.

O que o prisioneiro liberto deveria fazer em seguida? Ele poderia retornar para a caverna e soltar os demais prisioneiros. Contudo, poderia ser julgado como louco pelos outros e acabar até mesmo sendo morto por eles. O Mito da Caverna é uma metáfora que Platão utiliza para falar a respeito da hierarquia dos conhecimentos e de que maneira ela está associada à política da cidade.

O Mito da Caverna e como interpretar a alegoria

A história do Mito da Caverna é uma metáfora, dessa forma, os personagens e o enredo foram utilizados por Platão para transmitir uma mensagem. A seguir destacamos os principais elementos da metáfora que Platão empregou nessa alegoria.

Prisioneiros

Nesse caso, os prisioneiros são os cidadãos comuns.

Caverna

De acordo com Platão, a caverna é o nosso próprio corpo que pode ser fonte de dúvida e engano. Somos iludidos pela forma como apreendemos as aparências das coisas, acreditando que elas são as próprias coisas.

Sombras e ecos

Nessa alegoria as sombras e os ecos representam as opiniões e os preconceitos que trazemos do senso comum e da vida cotidiana. De acordo com Platão, são conhecimentos errados que adquirimos por meio dos nossos sentidos e do dia a dia.

Sair da caverna

A libertação do prisioneiro com sua posterior fuga é uma metáfora a respeito da busca pelo verdadeiro conhecimento.

Luz do sol

Nessa alegoria a luz do sol da parte externa da caverna representa o conhecimento verdadeiro, a filosofia e a razão. Em um primeiro momento, o prisioneiro se sente perturbado pela luz intensa, porém, com o passar do tempo ele se adapta.

Basicamente, se trata de uma metáfora para falar sobre a saída da zona de conforto representada pelas sombras e ecos que levam ao engano. No começo pode ser doloroso e exigir sacrifício deixar a ignorância para ter acesso ao conhecimento.

Qual o significado do Mito da Caverna na atualidade?

A alegoria proposta por Platão pode ser utilizada nos dias de hoje, nos permitindo fazer uma interpretação sociológica alinhada com nossa realidade. É possível observar resistência por parte da humanidade, de uma forma geral, de buscar a verdade. A televisão, internet e redes sociais oferecem acesso a muita informação, no entanto, boa parte das pessoas ainda mantém um contato raso com tais informações.

A política é um bom tema para exemplificar, uma parcela da população nos dias de hoje demonstra pouco interesse e, quando se mostra relativamente interessada, o faz de forma superficial. Não há uma busca por um entendimento profundo da essência das discussões, mas apenas do que está na superfície.

É bastante fácil que algumas pessoas sejam enganadas por notícias falsas que se espalham na internet. Nem ao menos se dão ao trabalho de investigar a veracidade do que estão compartilhando.

Retorno à caverna: o que aconteceria com o prisioneiro liberto atualmente?

No fim do texto do Mito da Caverna, Sócrates diz para Glauco que o prisioneiro liberto poderia vir a ser agredido e morto pelos seus companheiros se retornasse à caverna para contar o que descobriu. Os demais prisioneiros o considerariam louco por ir contra aquilo que sempre tomaram como a verdade.

Podemos observar um comportamento bastante semelhante atualmente, pois cada vez mais cientistas, filósofos e pessoas detentoras de conhecimento vêm perdendo relevância para indivíduos sem embasamento científico ou filosófico. A opinião vulgar vem se sobrepujando a ciência.

Opiniões rasas, ideias fanáticas e extremismos vêm tomando o lugar do conhecimento racional da humanidade. A sociedade caminha por sua própria vontade para a caverna de Platão. O Mito da Caverna atualmente se relaciona com o apego da sociedade à ignorância.

Para conferir conteúdos informativos como este, além de dicas para ter um bom desempenho no Enem e no vestibular, navegue pelo blog do Hexag Medicina!

Retornar ao Blog