05/01/2022 História

Inspiração: conheça ambientalistas que fizeram história

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
Inspiração: conheça ambientalistas que fizeram história

A sueca Greta Thunberg surgiu como um expoente do movimento de ambientalistas contemporâneos. Há cada vez mais jovens lutando pela defesa do meio ambiente e por um mundo ambientalmente mais justo. 

O interesse crescente dos jovens por essa questão primordial para o planeta é realmente muito positivo. E, certamente, está relacionado com nomes que fizeram história alertando para os riscos do estilo de vida do ser humano em décadas passadas.

Continue lendo e conheça alguns desses nomes que foram essenciais para a conscientização das gerações atuais.

Quem foram os ambientalistas que fizeram história?

Alertar o mundo a respeito do risco das mudanças climáticas, em momentos históricos em que esse não era um fato evidente, demandou muita coragem e determinação dos ambientalistas que apresentaremos abaixo. Conheça os nomes que fizeram história.

Jacques Cousteau: o desbravador do mundo subaquático

Como conscientizar o mundo a respeito de algo que está a dezenas de metros debaixo d’água? O oceanógrafo e documentarista francês Jacques Cousteau (1910-1987) encontrou uma resposta para essa questão. Através de longas-metragens, livros e programas de televisão ele tornou o universo subaquático popular. 

Para tornar a observação facilitada, ele construiu equipamentos como o Aqualung. Trata-se de um equipamento com tubo de ar, respirador e válvula. Com esse item se tornou possível realizar mergulhos autônomos. Inclusive, Cousteau é considerado como um pioneiro dessa prática fundamental para a exploração dos mares. 

O navio “Calypso” do explorador contava com um set de filmagens permanente no qual produziu mais de cem filmes. Em 1956, ele ganhou a Palma de Ouro no festival de Cannes com o filme “O Mundo do Silêncio”. Em 1957, o documentarista recebeu um Oscar pela mesma obra. Esse filme permitiu que as pessoas vissem nas telonas imagens inéditas do Mar Vermelho. 

Cousteau foi imprescindível para que as pessoas descobrissem mais sobre o universo abaixo da superfície. A partir do momento em que esse mundo foi descoberto pelos leigos, criou-se um maior apelo para a defesa dos oceanos.

Jane Goodall: primatóloga focada nos chimpanzés

Nascida em 1934, a primatóloga britânica Jane Goodall tornou-se conhecida mundialmente por seus estudos focados em chimpanzés. Uma mulher pioneira nessa área em 1960, desembarcou na Tanzânia para dar início à sua pesquisa a respeito do comportamento desses primatas. 

Em 1965, estampou a capa da revista National Geographic. Nessa época, Jane precisou enfrentar o preconceito de quem creditava seu sucesso à sua beleza. Ao longo da sua trajetória de trabalho, descobriu que os chimpanzés, assim como os seres humanos, são capazes de alterar objetos, transformando-os em ferramentas para usar no dia a dia.

Jane se tornou uma importante ativista a partir da década de 1980. Uma das causas por ela abraçadas foi a de convencer as empresas a deixarem de usar chimpanzés como cobaias em experimentos.

A primatóloga criou o Instituto Jane Goodall, por meio dessa organização ela desenvolveu o movimento global de jovens chamado de “Roots and Shoots”. O objetivo desse movimento é incentivar os jovens a fazerem a sua parte para um mundo ambientalmente sustentável e mais justo.

David Attenborough: a voz da natureza

O naturalista britânico David Attenborough nasceu em 1926 e, ao longo da sua vida, se tornou, literalmente, a voz da natureza. Ele produziu diversos documentários e programas de televisão sobre a vida em nosso planeta.

A primeira série de Attenborough foi veiculada em 1954 e nela ele apresentava imagens de animais raros. Por décadas, desenvolveu programas desse formato para a rede britânica BBC.

Um dos programas mais icônicos da carreira do naturalista foi o “Life on Earth”, criado no final dos anos 1970, em que ele conciliava técnicas de fotografia para falar sobre espécies animais pouco conhecidas. Acredita-se que 500 milhões de pessoas assistiram aos programas produzidos por ele em todo o mundo. 

Os documentários narrados por David Attenborough nos últimos anos têm como foco as mudanças climáticas. Um dos seus trabalhos mais recentes é o documentário “David Attenborough e Nosso Planeta” que está disponível na Netflix.

Nessa produção podemos entender como a vida dele se relacionou com o seu trabalho. Com quase um século de vida, Attenborough acompanhou por meio de seu trabalho as mudanças ocorridas no meio ambiente.

Chico Mendes: o defensor da Amazônia

Chico Mendes (1944-1988) é um dos principais ambientalistas brasileiros e um dos precursores do movimento em defesa da floresta amazônica. Durante a infância e a juventude, Mendes atuou como seringueiro. A profissão foi aprendida com seu pai e era muito comum no Acre, onde ele nasceu. 

Durante os anos 1970, o regime militar passou a incentivar a ocupação do território amazônico por pessoas de outros estados para que a atividade pecuária na região crescesse. A floresta passou então a ser derrubada para abrir espaço para os pastos. Os seringueiros dependiam da floresta em pé para continuar seu trabalho. 

A reação dos seringueiros veio em 1976, quando eles criaram o movimento chamado “empates às derrubadas” sob a liderança de Wilson Pinheiro, presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Brasiléia.

Basicamente, os seringueiros iam aos locais de derrubada e demonstravam os equipamentos e acampamentos dos peões. Em 1980, Pinheiro foi assassinado dentro da sede do Sindicato. Chico Mendes foi eleito para assumir a liderança do STR em 1983. 

Em 1985, ele reuniu mais de cem trabalhadores com o objetivo de elaborar uma proposta de reforma agrária em que a floresta em pé fosse valorizada. Essa iniciativa deu origem à Reserva Extrativista. As ações de Mendes ganharam projeção internacional. O ambientalista foi agraciado com prêmios da ONU e da Better World Society. 

O trabalho de Chico Mendes batia de frente com os grileiros que desejavam as terras amazônicas para transformar em pasto. Em 22 de dezembro de 1988, o grileiro Darly Alves ordenou o assassinato do ambientalista. Em uma emboscada nos fundos de sua casa, Mendes perdeu a vida e entrou para a história.

Esses e outros ambientalistas devem ser a nossa inspiração para fazer do mundo um lugar melhor!

Retornar ao Blog