10/12/2020 Português

O que é uma preposição?

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
O que é uma preposição?

Neste artigo explicaremos o que é uma preposição e seu uso gramatical, assim, você conseguirá compreender por que essa classe de palavras é definida como classe gramatical dependente. Então, vamos começar a entender melhor as preposições e suas funções linguísticas?

O que é uma preposição?

Para entender o que é uma preposição, é necessário compreender o seu uso em enunciados distintos. Basicamente, sua função é marcar relações gramaticais desempenhadas por substantivos, verbos, advérbios e substantivos.

Essa classe gramatical é definida como dependente porque, sozinha, não possui significado suficiente. Em resumo, as preposições servem para fazer a ligação entre dois termos, para que fique mais claro daremos exemplos:

Exemplo 1:

Vanessa gosta de maçãs.

Nessa primeira frase, a preposição de está sendo usada para ligar as palavras gosta e maçã. Logo, as duas unidades linguísticas (gosta e maçã) passam a estar relacionadas. Maçã se torna o complemento relativo de gosta.

Exemplo 2:

Aquela é uma garota de fibra.

Percebe que nesse exemplo a preposição de está ligando o substantivo garota ao substantivo fibra? No entanto, nesse caso, há uma relação diferente sendo estabelecida, fibra passa a ser adjunto adnominal de garota.

Atenção!

Preposições, embora sejam palavras pequenas, têm uma grande relevância para a construção de enunciados com sentido.

Classificação das preposições

As preposições são divididas em dois grupos: preposições essenciais e preposições acidentais. A seguir vamos explicar essas duas categorias com exemplos.

Preposições essenciais

Nesta categoria estão as preposições que somente aparecem na língua na forma de preposições, não tendo nenhuma outra função. Nos exemplos dados acima, pudemos observar a preposição de realizando a ligação entre unidades linguísticas distintas, mas sempre com a função de preposição.

Neste grupo de preposições com função apenas de preposição, estão:

a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por (per em algumas variações geográficas e históricas), sem, sob, sobre, atrás.

Exemplos:

Dançou até o dia nascer para se distrair.

Irei com você. Levarei os materiais presos com fitas.

Nesse segundo exemplo, a preposição essencial com tem dois significados distintos. No primeiro, indica companhia e no segundo momento indica instrumento.

Preposições acidentais

Nesta categoria estão aquelas que não são preposições originalmente, mas que podem acabar exercendo tal função em alguns contextos. São preposições acidentais:

afora, como, conforme, durante, exceto, feito, fora, mediante, salvo, segundo, visto, entre outras.

Exemplos:

Fora você, todo mundo concorda.

A palavra “fora”, geralmente é um advérbio de lugar, como no seguinte enunciado “O espelho estava fora da parede.”, contudo, nesse exemplo torna-se uma preposição acidental por significar “com exceção de”.

Segundo Fátima, tudo se resolveu bem.

Normalmente, a palavra “segundo” é usada como numeral, como na frase “Eu fiquei em segundo lugar no vestibular”, porém, nesse exemplo torna-se uma preposição por significar “de acordo com”.

Combinação e contração de preposições

Agora que já entendemos o que é uma preposição, sua função gramatical e as duas classificações possíveis, é importante compreender o seu uso. Preposições podem ser combinadas ou contraídas com outras palavras, mesmo que essas sejam de classes gramaticais distintas.

Combinação

Processo linguístico que se dá quando a preposição se junta à outra palavra, não sofrendo redução, ou seja, foneticamente permanece igual. Um bom exemplo é o da preposição ao, que resulta da soma de a + o. Também vale citar aos, que é resultado da combinação de a + os.

Contração

Ocorre quando a preposição se junta à outra, palavra podendo sofrer alteração. Geralmente, a contração se dá quando uma preposição é somada a um artigo – seja ele definido (o, a, os, as) ou indefinido (um, uma, uns, umas) – ou a um pronome – pessoal na 3ª pessoa (ele, ela, eles, elas) ou demonstrativo (este, isto, esse, isso, aquele, aquilo).

Um exemplo de contração é a soma do artigo a com a preposição a, que resulta em à (a crase indica que houve essa contração). Confira abaixo a aplicação:

a + a = à

a + as = às

a + aquele = àquele

a + aqueles = àqueles

a + aquela = àquela

a + aquelas = àquelas

Outro exemplo recorrente de contração é a soma da preposição em com o artigo o, que resulta na preposição no.

em + o = no

em + os = nos

em + a = na

em + as = nas

em + ele = nele

em + eles = neles

em + aquela = nela

em + aquelas = nelas

Regência verbal

Há casos em que os verbos demandam o acompanhamento de uma preposição para que possam fazer sentido, é o que se chama de regência verbal. Confira o exemplo:

A enfermeira assistiu a médica.

Quando o verbo assistir não está acompanhado de preposição, significa ajudar, auxiliar.

Carlos assistiu ao filme na televisão.

Já quando o verbo assistir é acompanhado da preposição a, passa a ter o sentido de ver ou observar.

Locuções prepositivas

São locuções prepositivas grupos de palavras que possuem valor e função de preposição. Destacam-se como bons exemplos desses conjuntos expressões como: de acordo com, abaixo de, de modo a, não obstante, diante de, à frente de, em cima de entre outras.

Agora você já sabe o que é uma preposição e quais são suas formas de uso. Para conferir mais dicas de língua portuguesa, fique ligado no Blog do Hexag Medicina!

Retornar ao Blog