08/12/2021 Química

O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Escrito por Hexag Educação @hexagmedicina
O uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo

Os agrotóxicos são produtos químicos, biológicos ou físicos empregados nas atividades agrícolas e nas pastagens, com o objetivo de alterar a composição química da fauna ou da flora.

Embora tenham sua relevância reconhecida no agronegócio, esses compostos estão no centro de várias discussões devido aos problemas ambientais que acarretam e para a saúde do ser humano.

Continue lendo para saber mais sobre o seu uso no Brasil e no mundo.

O que são agrotóxicos?

Os agrotóxicos podem ser também chamados de defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas, agroquímicos, biocidas, produtos fitossanitários ou produtos fitofarmacêuticos. Como mencionamos, entram na categoria de agrotóxicos produtos químicos, físicos e biológicos, cujo intuito seja evitar pragas e doenças.

De maneira geral, esses produtos são utilizados na produção agrícola e nos cuidados com as pastagens. Para que os agrotóxicos cheguem ao uso no Brasil, precisam passar por um longo processo de regulação. Os agrotóxicos são divididos em categorias de acordo com o tipo de praga que combatem. 

Dentre esses tipos estão os agrotóxicos inseticidas, fungicidas, herbicidas (combatem ervas daninhas), desfolhantes (combate a folhas indesejadas) e fumigantes (bactérias nos solos). 

O uso de agrotóxicos na agricultura

Os agrotóxicos são amplamente utilizados na produção agrícola, especialmente nas monoculturas, com o objetivo de potencializar a produtividade e combater pragas. Esses defensivos são utilizados em produções de todos os portes, desde as menores até as de inúmeros hectares. 

O problema em relação ao uso de agrotóxicos está no uso excessivo e incorreto desses compostos que pode levar a uma série de danos ao meio ambiente e à saúde do ser humano. No Brasil, as produções que mais utilizam agrotóxicos são as de soja, cana-de-açúcar, milho e algodão, respectivamente. 

Presença de agrotóxicos nos alimentos

De acordo com a Anvisa, muitos alimentos presentes na mesa dos brasileiros contêm altas concentrações de agrotóxicos. Uma pesquisa realizada pela Agência de Vigilância Sanitária, entre os anos de 2013 e 2015, detectou que laranja, abacaxi, couve e uva apresentam risco agudo de contaminação por agrotóxicos. 

Embora os estudos empreendidos pela pesquisa não tenham identificado potencial risco para a saúde dos consumidores, há um grande risco para os agricultores. Infelizmente, ainda há uma boa parcela de trabalhadores rurais que não segue à risca as recomendações de uso desses produtos. 

Vale ressaltar que os agrotóxicos podem ser encontrados tanto em alimentos de origem vegetal quanto animal como carnes, leite e ovos. A recomendação da Anvisa para reduzir a ingestão de agrotóxicos é dar preferência para produtos de origem orgânica, aqueles que são cultivados sem o emprego de defensivos agrícolas. Além disso, é imprescindível lavar corretamente os alimentos antes de consumi-los bem como remover as suas cascas. 

Agrotóxicos no Brasil

O Brasil é um dos países mais fortes do setor agropecuário mundial e também é um dos maiores quando o assunto é a comercialização de agrotóxicos. Para se ter uma ideia, de acordo com a Revista Pesquisa Fapesp, nosso país movimenta anualmente em torno de US$ 10 bilhões em defensivos agrícolas. Entre os anos de 2010 e 2017 houve um aumento expressivo do uso desses produtos.

No entanto, é importante dizer que, embora o Brasil tenha um grande comércio de agrotóxicos, apresenta uso relativamente baixo desses defensivos por hectare em comparação com outros países. Como a produtividade do nosso país é alta, o uso de agrotóxicos se torna baixo. 

No Brasil, o uso de agrotóxicos está relacionado diretamente a fatores climáticos, uma vez que em boa parte do seu território o clima é tropical. Como em algumas regiões não há períodos de inverno (temperaturas baixas) há o favorecimento do ciclo de pragas e doenças. Outro fator importante a ser mencionado é a evolução tecnológica que alavancou a produtividade. Com uma maior produção, se tornou necessário maior controle sobre eventuais danos às lavouras. 

A regulação do uso de agrotóxicos em nosso país é feita pela Lei de Agrotóxicos nº 7.8022, de 1989. Porém, em 2018 essa lei foi revogada por um projeto aprovado na Câmara pelo deputado Luiz Nishimori. Nesse projeto há a previsão de liberação de alguns agrotóxicos pelo Ministério da Agricultura. Não está claro qual será o poder de atuação de órgãos como a Anvisa e o Ibama. Em linhas gerais, o projeto flexibilizou as regras de produção, comércio e distribuição de defensivos agrícolas

O Ministério da Agricultura, no começo de 2019, aprovou o registro de agrotóxicos considerados de alta toxicidade. Houve o registro de quase 450 defensivos, sendo que destes apenas 52 têm baixa toxicidade. De acordo com a Anvisa, agrotóxicos que estão banidos em outros países como Estados Unidos, China e integrantes da União Europeia estão chegando ao Brasil. Em nosso país são utilizados ao menos dez agrotóxicos banidos nos países mencionados.

A flexibilização levou a uma série de debates entre ambientalistas e órgãos que criticam essa permissividade do governo. Do outro lado desse embate estão os ruralistas, que alegam ser inevitável o uso desses agrotóxicos, haja vista a grande produtividade do Brasil. Essa é uma discussão que ainda terá inúmeros capítulos e certamente será difícil chegar a um consenso. 

O uso de agrotóxicos no mundo

Países, como os integrantes da União Europeia, Estados Unidos, China e Canadá, limitam o uso dos agrotóxicos considerados mais tóxicos. No Brasil, utilizamos defensivos proibidos em alguns desses países desde 1985. A diferença é o rigor da fiscalização. Enquanto por aqui é difícil revisar o uso de agrotóxicos, em outras nações é difícil aprovar o seu uso. 

A prática de lançar agrotóxicos com avião sobre as lavouras, tão difundida no Brasil, é proibida na União Europeia. Esse método de aplicação lança próximo a casas, gado, córregos e rios os defensivos. Outro ponto que diferencia a relação brasileira e do resto do mundo com agrotóxicos é a conscientização da população. Os europeus cobram dos seus governos uma maior fiscalização.

Esse é o panorama do uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo. Quer conferir mais conteúdos sobre temas da atualidade? Navegue pelo blog do Hexag Medicina!

Retornar ao Blog